Liberdade

(Brasil, 2018, 25’, dir. Pedro Nishi e Vinícius Silva)

 

Abou é um artista guineense que vive com outros imigrantes africanos em uma pensão no bairro da Liberdade em São Paulo. Entre eles, vive Satsuke, uma mulher japonesa misteriosa que parece estar na casa há muitas décadas. Sow, um jovem guineense, está tentando chegar na casa para começar uma vida no Brasil, mas fica preso na imigração do aeroporto. Vidas estrangeiras habitam o bairro da Liberdade, um lugar de passado sombrio.

Ficha Técnica

  • Com: Aboubacar Sidibe, Cristina Sano,
    Mamadou Yaya Sow

  • Roteiro e direção: Pedro Nishi e Vinícius Silva 

  • Ass. direção: Francisco Miguez

  • Arte: Glaucia Tiemi 

  • Montagem: Mariana Moraes e Victor Miaciro

  • Direção de fotografia: Lucas Silva Campos 

  • Ass. câmera: Daniel Martinez, Isabel Beitler,
    Maria Clara Guiral 

  • Elétrica e maquinária: Henrique Godoy, Klaus Oti

  • Logger: Victoria Negreiros 

  • Color grading: Ely Silva

  • Som: Rafael Leite 

  • Desenho de som: Ricardo Reis 

  • Edição de som: Effects Filmes sob Supervisão de
    Miriam Biderman 

  • Mixagem: Ricardo Zollner

  • Produção executiva e dir. de produção: João Pedro Bim 

  • Ass. produção: Bia Hong 

  • Cartaz: Andrea Barcelos

  • Uma Produção: A Flor E A Náusea

#democracia: O discurso anti-imigração, presente em muitos países [como na Hungria - ver documentário sobre o tema nesta Mostra], coloca refugiados e imigrantes como indesejados, pessoas que ameaçam a estabilidade e contaminam seus ambientes políticos, econômicos e sociais. Esse tipo de discurso tomou moldes diferentes no Brasil, que passou por um processo histórico de formação distinto. Ainda assim, o curta LIBERDADE mostra a coexistência de diferentes nacionalidades no país, que ao longo dos séculos normalizou zonas de exclusão para determinadas populações e o apagamento de suas práticas, culturas e individualidades. A construção de determinados discursos pode ser perigosa para a democracia e comprometer o DEBATE PÚBLICO E PROCESSO ELEITORAL, por indicar caminhos fáceis como solução para problemas econômicos e políticos complexos e deslegitimar princípios fundamentais, como a pluralidade e diversidade.

Sessões na Mostra

12/09, às 19h, no CEU Três Lagos

sessão + bate-papo FAZENDO CINEMA com: 

  • PEDRO NISHI, codiretor de LIBERDADE. Seu primeiro filme, “Retratos Para Você” (2017), foi exibido em diversos festivais, recebeu o “Prêmio Revelação” no 28º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo.

  • VINÍCIUS SILVA, cineasta negro da Zona Leste, periferia da capital paulista. LIBERDADE, em codireção com Pedro Nishi, é seu segundo curta. Coleciona mais de 50 prêmios recebidos com a participação de seus filmes em festivais.
     

[o curta será exibido antes do longa "Espero Tua (Re)Volta"]

12/09, às 19h, no Cine Olido

 

13/09, às 19h, no CCSP

sessão + debate sobre MEMÓRIA E JUSTIÇA com:

 

  • CARLA OSMO foi pesquisadora sênior da Comissão Nacional da Verdade e membro do Comitê de Relatoria de seu relatório final (2014). Seus principais temas de atuação são: Direitos Humanos, Sistemas Internacionais de Proteção dos Direitos Humanos e Justiça de Transição. É Professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

  • LUCAS PAOLO VILALTA, coordenador da área de Memória, Verdade e Justiça do Instituto Vladimir Herzog

[o curta será exibido antes do longa "O Pacto de Adriana"]

DEBATE PÚBLICO E PROCESSO ELEITORAL

baixe o material complementar

* Você pode imprimir em A4 e fazer o acabamento

com duas dobras no local indicado.

Sobre os realizadores

 

PEDRO NISHI formou-se em Cinema na ECA-USP em 2018. Seu primeiro filme, “Retratos Para Você” (2017), foi exibido em diversos festivais, recebeu o “Prêmio Revelação” no 28º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. “Tempo de ir, tempo de voltar”(2018), seu filme de graduação, está circulando em festivais brasileiros e internacionais. "Liberdade", codirigido com Vinícius Silva, é seu terceiro curta-metragem.

 

VINÍCIUS SILVA. "Liberdade", em codireção com Pedro Nishi, é o segundo curta do jovem do cineasta negro da Zona Leste, periferia da capital paulista. Coleciona mais de 50 prêmios recebidos com a participação de seus filmes em festivais como Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Janela Internacional de Cinema de Recife, Festival de Cinema Latino-Americano de Toulouse e Festival Internacional de Cinema de Rotterdam.

1ª Mostra Taturana de Cinema / 2019 pela Democracia

10 a 16 de setembro | SP